Artigos e Publicações

ECD e ECF: atenção aos prazos de entrega e às novas obrigações

ECD e ECF: atenção aos prazos de entrega e às novas obrigações

Publicado em 07/01/2020

Fique por dentro das alterações válidas para 2016

A partir da vigência da Lei 12.973/2014, que foi um divisor de águas na legislação tributária brasileira, as empresas passaram a adotar novas práticas e procedimentos, com o objetivo de garantir regularidade perante o Fisco Federal e evitar contingências tributárias. A advogada do Departamento Tributário da Andersen Ballão Advocacia, Luana Romaniuk, explica que a referida lei extinguiu o Regime Tributário de Transição (RTT), que estabelecia a neutralidade fiscal das alterações trazidas na legislação contábil, pela Lei 11.638/2007.

“A Lei 12.973/2014 trouxe o tratamento fiscal de determinados registros contábeis, assim como das diferenças verificadas entre a contabilidade societária (após Lei 11.638/2007) e a contabilidade ‘fiscal’ realizada conforme a legislação anterior a 31 de dezembro de 2007”, acrescenta.

Nesse sentido, para que o contribuinte possa garantir a neutralidade fiscal das divergências entre contabilidade societária e fiscal, há a necessidade da realização de controles por meio de subcontas no plano de contas da entidade. A advogada da ABA afirma que, em algumas situações, se o controle determinado pela lei não for realizado, será necessário submeter os valores (diferenças) à tributação do IRPJ/CSLL, seja pela adição ao Lucro Real, ou pela impossibilidade de excluir determinados montantes na apuração.

De acordo com Luana, a existência ou não de uma subconta deverá ser evidenciada pelos contribuintes, nas declarações referentes ao ano base de 2015. “Determinadas informações declaradas na ECD – Escrituração Contábil Digital servirão de base para o preenchimento da ECF – Escrituração Contábil Fiscal. Por isso, recomenda-se a adequada classificação das contas da empresa no Plano de Contas Referencial da ECD e a análise das eventuais diferenças entre a contabilidade societária e a ‘fiscal’, a fim de anular ou mitigar eventuais impactos fiscais”.

A ECD trata de informações vinculadas à escrituração contábil da entidade, como o livro diário, o livro razão e livros auxiliares, enquanto a ECF, que neste ano deve ser entregue até o dia 30 de junho, vincula os dados contábeis à apuração do IRPJ e da CSLL, assim como abrange outras informações econômicas relevantes para a empresa.

Quem está obrigado a entregar a ECD?

Para o ano-calendário de 2015 (ECD – 2016), as empresas que são tributadas com base no lucro real; pessoas jurídicas  que apuram o lucro presumido (em situações específicas); organizações imunes e isentas (desde que obrigadas a apresentar a Escrituração Digital das Contribuições) e as Sociedades em Conta de Participação estão obrigadas a fazer a entrega. Ficam dispensadas dessa obrigação as instituições optantes pelo Simples Nacional.

Quem está obrigado a entregar a ECF?

Todas as pessoas jurídicas, inclusive as equiparadas, deverão apresentar a Escrituração Contábil Fiscal (ECF) de forma centralizada pela matriz. A exceção é apenas para as entidades que adotam o Simples Nacional, empresas inativas, órgãos públicos, autarquias e fundações públicas.

Matérias Relacionadas

Unidos pelo Rio Grande do Sul: ABA arrecada doações para…

Solidariedade mobiliza sociedade civil e instituições privadas Empatia, solidariedade e ação têm levado milhares de pessoas a contribuir com suprimentos para as vítimas da tragédia…

Leia mais

Andersen Ballão Advocacia fortalece laços com o mercado italiano através…

A equipe especializada investe no fortalecimento das relações Brasil-Itália, visando oportunidades de negócios mútuos, e inaugura os serviços de reconhecimento judicial de cidadania italiana. A…

Leia mais

Atuação do Setor Financeiro garante satisfação do cliente

Não apenas nossa equipe jurídica, mas também nosso setor financeiro colabora para uma prestação de serviços de excelência A sinergia entre o setor financeiro e…

Leia mais