Artigos e Publicações

Entenda o que é a justiça climática

Publicado em 03/10/2022

A atuação jurídica no Terceiro Setor exige o envolvimento com inúmeras questões que precisam ser resolvidas no país. Nesse contexto, está a justiça climática. O termo se refere a muito mais que aquecimento global e mudanças do clima, pois abrange fatores que vão além dos naturais e caminham de forma paralela aos direitos humanos.

“O local onde se mora tem muita relação ao acesso a direitos básicos, como água encanada e, pela ótica das desigualdades sociais, infere que, assim como essas, os efeitos da degradação da natureza também atingem as pessoas de forma diferenciada”, esclarece a coordenadora do Departamento de Assuntos Culturais e Terceiro Setor da Andersen Ballão Advocacia (ABA), Marcella Souza. “Se pensarmos nos moradores de áreas de risco, podemos dizer que estarão mais expostas aos efeitos da degradação ambiental.” O mesmo se aplica à localização das empresas, que são responsáveis pelo seu entorno também.

Junto aos temas afins à justiça climática, surgem intersecções entre clima e gênero, raça, soberania alimentar, manejo de comunidades tradicionais e decolonialidade, para se ter uma ideia da amplitude de fatores envolvidos e que devem ser levados em conta em projetos de atuação ambiental.

A boa notícia é que a sociedade civil, empresas e organizações podem ajudar a amenizar os efeitos da degradação ambiental e se envolver nessa causa. Projetos sociais e ambientais podem e devem ir além da filantropia, de forma a manter um real compromisso com essa agenda. Uma possibilidade é utilizar o investimento social privado, ou buscar instituições renomadas como o GIFE – Grupo de Institutos, Fundações e Empresas, organização sem fins lucrativos que é referência no país em pesquisas sociais, tais como o censo que realiza a cada dois anos.

“Sugerimos a empresas que buscam elevar seus índices ESG (relacionados a ações ambientais, sociais e de governança) que realizem repasses voluntários de recursos de forma planejada, monitorada e sistemática, para projetos ou organizações sociais idôneos, sejam eles ambientais, culturais ou científicos. Nós estamos à disposição para indicar os melhores meios”, sugere a advogada.

 

Leia outras notícias sobre o Terceiro Setor aqui

https://www.andersenballao.com.br/pt/materias/cultura-e-terceiro-setor-terao-projetos-de-grande-destaque-em-2022/

Matérias Relacionadas

Cultura vive retomada e busca diálogo com a sociedade civil

Ações governamentais impulsionam o importante momento que o país vem vivenciando e abre espaço para apoio das empresas ao terceiro setor As boas previsões para…

Leia mais

Mesmo sem fins lucrativos, OSCs podem ter atividade econômica

Trabalhar em benefício de um grupo ou causa não precisa excluir a geração de receita para entidades do terceiro setor  Assim como qualquer empresa ou…

Leia mais

Filantropia empresarial anda na contramão da riqueza no Brasil

País ocupa a 122ª posição no índice de doação da iniciativa privada mundial, contradizendo a realidade dos EUA e Europa O Brasil se encontra entre…

Leia mais